sem luz

      

duvidas frequentes

Conta de Energia


Por dentro da sua conta de energia

A conta de luz informa todos os detalhes de relativos ao consumo e às cobranças feitas ao cliente. Entre os itens que devem ser conferidos estão as datas de leitura (última, atual e próxima programada), o gráfico com histórico de consumo, a especificação das faixas de consumo (a primeira vai até 150 kWh), além de aviso de corte (quando há pagamento em aberto). Confira na arte abaixo onde fica localizada cada informação disponível na fatura de energia:
conta de luz

A fatura de energia traz informações de todos os itens que são cobrados dos consumidores, conforme especificação exigida pela Aneel. Entre eles, a compra da energia gerada pelas usinas, a transmissão pelas redes de alta tensão até chegar às subestações, além da distribuição nas linhas de baixa e média tensão até as unidades consumidoras. A conta ainda inclui encargos setoriais e tributos, como o ICMS (que se altera conforme a faixa de consumo) e PIS/Cofins (que varia mensalmente em cada estado).

Mais:

» Veja neste vídeo outros pontos de atenção na hora de conferir a sua fatura.

» A Agência Nacional de Energia Elétrica, a Aneel, produziu um vídeo bastante explicativo sobre a conta de luz. Veja aqui


Formas de pagamento

InstituiçãoBoca de caixaDébito automáticoInternetAutoatendimentoCorrespondente bancário
Ailos (997) Não Sim Sim Sim Sim
Banco do Brasil (101) Não Sim Sim Sim Sim
Bancoob (756) Não Sim Sim Sim Sim
Banrisul (041) Sim Sim Sim Sim Sim
Bansicred (748) Não Sim Sim Sim Sim
Bradesco (237) Não Sim Sim Sim Sim
Caixa Econômica (104) Não Sim Sim Sim Sim, até R$ 2.000 e até
R$ 700 (boletos BB)
Citibank (745) Não Sim Sim Sim Sim
Credicoamo (908) Não Sim Sim Sim Sim
HSBC Bank Brasil (399) Não Sim Sim Sim Sim
Itaú Unibanco (341) Não Sim Sim Sim Não
Mercantil do Brasil (389) Não Sim Sim Sim Sim
Safra (422) Não Sim Sim Sim Sim
Santander Brasil (033) Sim Sim Sim Sim Sim
Unicred (507) Não Sim Sim Sim Sim

Como incluir a fatura em débito automático?

A inclusão do débito automático é feita diretamente na agência bancária, mediante apresentação do número da Unidade Consumidora (UC). Não é necessário ser o titular da UC, mas somente o titular da conta corrente bancária poderá solicitar o cadastramento do débito automático.

Como excluir a fatura do débito automático?

A exclusão do débito automático é feita na agência bancária ou em uma loja de atendimento da Celesc. Não é necessário ser o titular da UC, mas somente o titular da conta corrente bancária poderá solicitar o cancelamento do débito automático.


Parcelamento de débitos

Veja as condições necessárias para solicitar parcelamento:

 

  • Apenas para Unidades Consumidoras grupo B (tensão secundária de fornecimento de energia elétrica);
  • A Unidade deve estar LIGADA ou em CORTE RECENTE;
  • A conta deve estar vencida há mais de 30 dias;
  • O valor do débito será atualizado com multa, juros e correção monetária, sendo que o valor mínimo do total do débito atualizado deverá ser maior ou igual a R$ 450 e o valor máximo deverá ser menor ou igual a R$ 10 mil;
  • Limite máximo de 7 parcelas, sendo a entrada (ato) mais 6 parcelas;
  • Não será selecionada conta de energia decorrente de parcelamento anterior ou conta que esteja em análise no Departamento Jurídico;
  • Não será possível efetivar o parcelamento caso o consumidor possua mais de uma unidade consumidora sob sua titularidade com classes de consumo diferentes;
  • Também não será possível efetivar o parcelamento se o consumidor tiver mais de uma unidade consumidora sob sua
    titularidade e o valor total dos débitos dessas unidades consumidoras ultrapasse o teto de R$ 10.000,00 (dez mil reais);
  • Caso a parcela de entrada (ato) não seja quitada em até 1 dia, o consumidor será inserido em uma lista de restrição,
    ficando impossibilitado de fazer novo pedido nessa modalidade.


Informações complementares devem ser verificadas nas lojas de atendimento presencial da Celesc.

Solicite o parcelamento

 

Parcelamento no cartão de crédito


O parcelamento via cartão de crédito pode ser realizado nas lojas de atendimento das seguintes localidades (verifique adiante as condições de parcelamento):

Municípios inicialmente contemplados
A
Abelardo Luz
Araquari
Araranguá
B
Balneário Arroio do Silva
Balneário Camboriú
Balneário Gaivota
Balneário Piçarras
Barra Velha
Biguaçu
Blumenau
Bombinhas
Brusque
C
Caçador
Camboriú
Campos Novos
Canoinhas
Capinzal
Capivari de Baixo
Chapecó
Concórdia
Correia Pinto
Criciúma
Curitibanos
F
Faxinal dos Guedes
Florianópolis
Fraiburgo
G
Garopaba
Garuva
Gaspar
Guaraciaba
Guaramirim
H
Herval d'Oeste
I
Ibirama
Imbituba
Indaial
Itaiópolis
Itajaí
Itapema
Itapiranga
Itapoá
Ituporanga
J
Jaguaruna
Jaraguá do Sul
Joaçaba
Joinville
L
Lages
Laguna
Lauro Müller
Lebon Régis
M
Mafra
Maravilha
N
Navegantes
O
Otacílio Costa
P
Palmitos
Papanduva
Penha
Pinhalzinho
Pomerode
Porto Belo
Presidente Getúlio
Q
Quilombo
R
Rio do Sul
Rio Negrinho
Rio Negro (PR)
S
Santo Amaro da Imperatriz
São Bento do Sul
São Francisco do Sul
São João Batista
São Joaquim
São José
São Lourenço do Oeste
São Miguel do Oeste
Seara
Sombrio
T
Taió
Tangará
Tijucas
Timbó
Trombudo Central
Tubarão
V
Videira

 

Condições de parcelamento: 

 

  • O parcelamento pode ser feito apenas para as contas de energia om pagamentos em atraso;
  • Parcelas de 5 a 12 vezes, sem entrada, para débitos entre R$ 450,00 e R$ 10.000,00;
  • A Unidade Consumidora deverá estar ativa (ligada ou com a energia cortada por falta de pagamento, não podendo estar, atualmente, sem vínculo com a Celesc);
  • Válido para Unidades do Grupo A e do Grupo B.


 

 

Tarifas e taxas

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) é quem determina a tarifa que os consumidores pagam pelo serviço de energia elétrica. Além disso, a tarifa também contém impostos e tributos, estabelecidos por leis federais, estaduais e municipais. A Celesc apenas cobra do consumidor e repassa os valores a quem de direito. 

Confira no gráfico abaixo a composição atual da estrutura tarifária:

grafico tarifa

 

Não. As revisões e reajustes tarifários consideram as características de cada área de concessão: número de consumidores, quantidade de energia distribuída a partir de uma determinada infraestrutura, quilômetros da rede de distribuição de cada empresa e custo da energia comprada pelas distribuidoras. Os impostos e as taxas de iluminação pública também não são iguais em todos os estados e municípios.

Aqui você encontra os valores atuais das nossas tarifas para todos os grupos de consumidores (lembrando que os consumidores residenciais fazem parte do grupo B), bem como os valores dos tributos que impactam na conta de luz.  

O valor da tarifa inicial e os mecanismos para sua atualização estão definidos nos contratos de concessão assinados entre as distribuidoras e a União.

Reajuste anual (na data de aniversário do contrato de cada distribuidora): atualiza o valor da energia paga pelo consumidor de acordo com fórmula prevista no contrato de concessão. O seu objetivo é restabelecer o equilíbrio econômico-financeiro da concessionária. É feita anualmente, na data de aniversário da concessão. No caso da Celesc, em agosto.

Revisão tarifária periódica: realizada a cada cinco anos, nesta revisão são redefinidos o nível eficiente dos custos operacionais e a remuneração dos investimentos – a chamada parcela B.

Revisão tarifária extraordinária (se necessária): pode ser feita a qualquer tempo, uma vez comprovada a ocorrência de desequilíbrio econômico-financeiro da concessão.

A COSIP (Contribuição para o Custeio dos Serviços de Iluminação Pública) é um imposto que paga pela iluminação pública dos municípios. Lembramos aqui que a Iluminação Pública é responsabilidade da prefeitura de sua cidade, e não da Celesc. Por isso, o município, com o auxílio da Câmara Municipal, é que estabelece os parâmetros para essa cobrança - muitas variáveis podem entrar nessa análise. Para saber exatamente como foi calculada a sua COSIP, você deverá consultar a Câmara Municipal de sua cidade ou a prefeitura de seu município.

A Celesc reforça que não define a forma de cálculo deste item, sendo que apenas arrecada e repassa os valores para as Prefeituras ou órgãos municipais competentes. Saiba mais sobre Iluminação Pública

 

Leitura

Anote o número que está registrado em seu medidor de energia e compare com o da leitura publicado em sua fatura. Se houver discordância, você pode solicitar reparação em nossa central de atendimento: 08000 48 0120 ou pelo chat online.

Uma possibilidade para saber se a fatura está calculada corretamente é fazer uma simulação nessa ferramenta desenvolvida por um projeto de Pesquisa & Desenvolvimento da Aneel - entre aqui e faça a simulação. O site traz dados das principais distribuidoras do País, considerando valores médios de alguns tributos variáveis em cada estado. Apesar de não ser um cálculo exato, a simulação reflete com boa precisão a fatura paga pelo consumidor e pode servir de base para se saber se o valor cobrado está correto ou não.

Lembramos que a ferramenta não considera a Contribuição para o Custeio do Serviço de Iluminação Pública (COSIP), que é definida em cada município. As alíquotas de PIS/Confins são médias estimadas, pois variam mensalmente com o volume de créditos apurados pelas distribuidoras. Também não estão incluídos valores referentes a cobrança de multas, juros, convênios, parcelamentos entre outros itens que podem ser acrescentados à fatura. Confira atentamente todos os detalhes da sua conta para verificar os pontos que podem estar diferentes. 



Consumo de energia

No verão, os motores de alguns equipamentos elétricos precisam trabalhar muito mais para compensar a temperatura mais alta. Imagine o compressor de uma geladeira com temperatura interna programada para 5°C. Se, do lado de fora, a temperatura for de 20°C, o motor vai trabalhar pela redução de 15°C. Mas, se a temperatura subir para 40°C, esse motor vai ter que trabalhar ainda mais para compensar a diferença de 35°C, consumindo mais energia. Além das geladeiras, isso ocorre com outros aparelhos usados para refrigeração, como freezer e ar-condicionado.



economia energia verao dicas

Mais:

»
Veja neste vídeo muitas dicas pra economizar energia da sua geladeira
» Temos também essas recomendações pra economizar o ano todo 

 

A Celesc disponibiliza no site uma ferramenta chamada Simulador de Consumo. Com ele é possível saber a quantidade de energia que cada equipamento consome e, a partir dessa informação, adaptar a rotina para economizar na conta de luz: acesse aqui.



Questões técnicas

Sim. Identifique, primeiramente, o tipo de medidor que há em sua residência:

Medidor Analógico ou Eletromecânico (ponteiros): Desligue todos os aparelhos das tomadas, apague as luzes e após 15 minutos, verifique se o disco do medidor continua girando. Se este continuar girando e der uma volta em menos de 15 minutos, existe "fuga" de energia elétrica. Tal "fuga" pode ser originada por um defeito na instalação elétrica ou problema no medidor. Assim, para identificar a origem da "fuga", deslligue o disjuntor e verifique:

- se o disco do medidor parar de girar, o defeito encontra-se na instalação interna. Recomenda-se consultar um eletricista paticular.

- se o disco do medidor continuar girando, o defeito poderá ser no medidor. Entre em contato com um dos nossos canais de atendimento e solicite uma verificação no medidor.

Medidor Eletrônico (digital): Desligue o disjuntor e aguarde 15 minutos. Se a luz do medidor continuar piscando, é sinal de que já alguma anormalidade que precisa ser verificada pela concessionária. A forma de piscar indica o consumo gasto. Por exemplo: se o chuveiro estiver ligado, a luz piscará constantemente e, se uma lâmpada estiver ligada, piscará vagarosamente.

 

Você pode solicitar à Celesc, por meio de teleatendimento 08000 48 0120 ou em uma unidade de atendimento presencial, uma visita para a realização dos testes, que devem ser acompanhados por alguém responsável. Um formulário com o resultado da avaliação será entregue ao cliente.

 

Tire aqui suas dúvidas sobre o Padrão de Entrada. Na seção de normas técnicas também tem mais informações. 

 


Veja também:

Como fazer troca de titularidade